• CONGRESSO BRASILEIRO DE EXTENSÃO

    A Universidade Federal de Alagoas terá uma participação expressiva no 5º Congresso Brasileiro de Extensão (CBEU), a ser realizado de 8 a 11 de novembro, em Porto Alegre. Sete trabalhos passaram pelo processo seletivo de pareceristas ad hoc e da comissão científica do evento e serão apresentados na modalidade de comunicação oral.

    Terão participação no CBEU, os projetos: Resgatando a cidadania de usuários do SUS no Hospital Geral do Estado de Alagoas? a experiência do projeto Resgatar e Inserção de alunos de graduação em cenários diversificados de práticas? a experiência do Ver SUS Alagoas, de Maria Edna Bezerra da Silva, Curso pré-vestibular: um relato de experiência na Universidade Estadual de Alagoas – Uneal, de Maria José Houly Almeida de Oliveira, Concerto Didático: programa de educação musical e formação de plateia nas escolas públicas de Maceió, de Nilton da Silva Souza em co-autoria com Nicolle Freire, Educar para produção cultural é papel da universidade, de Anna Rodrigues, Do cinema nacional ao semi-árido: reflexões sobre o projeto cinema árido, de Ana Flávia de Andrade Ferraz, e Criando Laços via Recursos Informatizados no Caps - Jatiúca, de Rafael André de Barros.

    O Congresso tem como tema central “As Fronteiras da Extensão” e pretende incentivar a troca de experiências e a reflexão crítica sobre a extensão universitária no Brasil, com a apresentação de propostas e resultados de experiências. A programação inclui a realização de conferências, mesas-redondas, minicursos e atividades culturais. As propostas selecionadas foram organizadas nas modalidades de comunicação oral, tertúlia e oficinas, dentro de oito áreas temáticas da extensão.

    Os trabalhos aprovados da Ufal, nas áreas temáticas da saúde, educação e cultura, refletem experiências que estão em andamento na universidade. Praticamente todas as propostas estão cadastradas no Banco de Projetos de Extensão ou financiadas com bolsas da Proex. O concerto didático, por exemplo, é um projeto de longa duração que acompanha a história da Orquestra da Ufal ao longo de seus 30 anos. Para o regente Nilton Souza, “é importante compartilhar com outras universidades do país uma iniciativa que vem formando novas plateias e educando crianças e jovens para a escuta musical”.