• SETEC NOTÍCIAS

    Tecnólogos têm maior aumento do total de matrículas segundo Censo

    As matrículas em cursos superiores de tecnologia são as que mais crescem no país, segundo o Censo da Educação Superior 2009, divulgado no último dia 13. Nessa graduação, o aumento do número de matriculas foi de 26,1%, comparado com o ano anterior. Em 2008, o país contava com 539 mil matrículas, número que subiu para 680 mil em 2009. O Censo contabilizou 5,9 milhões de matrículas na educação superior brasileira.

    Desde 2001, os cursos tecnológicos conquistaram espaço em um cenário antes dominado pelos bacharelados e licenciaturas. Nesse período, o número de estudantes matriculados nesse nível de ensino passou de 69 mil para os atuais 680 mil, o que representa um aumento de 985%. A título de comparação, no mesmo período o número de estudantes em cursos de bacharelado cresceu 186%.

    “Esse aumento da procura e da oferta de cursos superiores de tecnologia revela uma ruptura de padrões”, observou Eliezer Pacheco, secretário de educação profissional do MEC. “O mercado já não absorve os bacharéis e sente falta de um perfil mais técnico e tecnológico em seus profissionais.”

    Expansão - As instituições públicas respondem por 101 mil das 680 mil matrículas em cursos superiores de tecnologia. Das públicas, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica é a que detêm o maior percentual de estudantes, com 57 mil matrículas. Em franca expansão, as escolas federais registraram um crescimento recorde no último ano. “Passamos de 34 mil para 57 mil matrículas em cursos tecnológicos no espaço de um ano”, ressaltou Eliezer.

    O salto no número de matrículas é fruto da política de expansão da rede. A iniciativa foi responsável pela entrega de 214 novas escolas em todo o país no último período (2005 – 2010). A expectativa é que os números continuem a crescer, já que nem todas as escolas estão em pleno funcionamento.

    Rede Federal é destaque no Índice Geral de Cursos

    A Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica foi destaque no Índice Geral de Cursos (IGC). As instituições da Rede foram avaliadas na categoria Centros Universitários, onde ocuparam 11 das 15 melhores colocações e alcançaram conceito 4, numa escala que vai no máximo até 5. Os dados foram divulgados pelo Inep.

    O índice refere-se ao triênio 2007-2009. Todas as instituições de ensino superior do país foram avaliadas. O IGC abrange indicadores dos cursos de graduação e pós-graduação. Nas graduações, é utilizada a média dos Conceitos Preliminares de Curso (CPC) da instituição, que tem como base o desempenho dos estudantes no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), e ainda variáveis como corpo docente, infraestrutura e organização didático-pedagógica.

    Pelo terceiro ano consecutivo, o Instituto Federal de Santa Catarina (IF-SC) foi considerado o melhor centro universitário federal do Brasil e, entre todos os 158 centros universitários avaliados, alcançou a segunda melhor colocação. Os institutos federais ofertam desde os cursos técnicos de nível médio até a pós-graduação. Três cursos superiores de tecnologia do IF-SC tiveram destaque na avaliação realizada pelo Inep. O primeiro deles, em Construção de Edifícios, obteve nota 4,2 no CPC.

    O Instituto Federal Sul-rio-grandense veio logo atrás. Os seus cursos superiores de Tecnologia em Saneamento Ambiental (campus Pelotas) e em Gestão da Produção Industrial (campus Sapucaia do Sul) são os melhores do país.